29 de abr de 2013


# Arte que Encanta


Absolutamente sem ideias para algum post, e o tempo relativamente curto. Pensamos: O que vamos postar? todo mundo tá se perguntando, ou já se perguntou néeeh.

Analisando temas e suas infinitas possibilidades, percebemos: a Nathalia Guilhermino Nali, da M4 desenha MUITOOO, MUITOOO, MUITOO MESMO entãoo vamos aproveitar esse dom e postar sobre o assunto.

Então vamos lá; Veem comigo ;) !

Pra você que não tem habilidade nenhuma com o lápis, lápis de cor, caneta e qualquer outra coisa que risque, NÃO fique triste, poiiis você não está sozinho nessa. 

Assim como eu ( Bárbara Venturim ), aprendemos no primário a “desenhar”, clarooo que saímos muitoo bem... Sempre com os tradicionais desenhos realistas dee pauzinho kkk .. \o/.

Então chegou a hora das novidades!
Bárbara Venturim - 2001


A maioria das pessoas quando estavam do primário eram obrigadas a desenhar em um calendário como estava o dia, as “tias” adoravam os desenhos, mais quando crescemos, olhamos esses desenhos e percebemos que rabisco é esse! Em Bárbara. Mais existem pessoas que vão aperfeiçoando técnicas do desenho até que chegam ao ponto certo, e se encontram ouu encantam.


Definição básica de Desenho, segundo Wikipéedia!

O desenho é um suporte artístico ligado à produção de obras bidimensionais, diferindo, porém, da pintura e da gravura. Neste sentido, o desenho é encarado tanto como processo quanto como resultado artístico. No primeiro caso, refere-se ao processo pelo qual uma superfície é marcada aplicando-se sobre ela a pressão de uma ferramenta (em geral, um lápis, caneta ou pincel) e movendo-a, de forma a surgirem pontos, linhas e formas planas. O resultado deste processo (a imagem obtida), portanto, também pode ser chamada de desenho. Desta forma, um desenho manifesta-se essencialmente como uma composição bidimensional formada por linhas, pontos e formas. O desenho envolve uma atitude do desenhista (o que poderia ser chamado de desígnio) em relação à realidade: o desenhista pode desejar imitar a sua realidade sensível, transformá-la ou criar uma nova realidade com as características próprias da bidimensionalidade ou, como no caso do desenho de perspectiva, a tridimensionalidade.”


A arte não tem a obrigação de explicar nada, não é um discurso lógico e, nesse sentido, não explica nada por conceitos. Ela nos faz sentir, por meio de uma obra concreta, uma possibilidade do mundo entrevista pelo artista. Ela nos traz a compreensão de certos aspectos do mundo.


Existem os desenhos tridimensionais, um exemplo disso é o artista Julian Beever, artista inglês de Chalk art (arte com giz, COM GIZ, ACREDITEE). Ele produz desenhos tridimensionais nas ruas de diversos países utilizando somente giz como material. O seu trabalho é feito através da técnica de projeção conhecida como anamorfose. Essa técnica cria uma ilusão 3D quando a imagem é vista a partir e determinado ângulo. Nos casos das imagens serem vistas de outros ângulos, a visualização é outra e não produz o efeito de 3D. Os desenhos são minuciosamente projetados, milimetricamente executados. Em média, o artista leva cerca de três dias para completar apenas uma obra.




Muitos quadros, desenhos e telas, deixam as pessoas emocionadas por seus traços tão semelhantes à realidade. O Realismo manteve-se dentro dos preconceitos acadêmicos, no que diz respeito à exatidão do desenho e ao perfeito acabamento do quadro. 
Os pintores realistas executavam, no exterior, breves esboços e apontamentos que trabalhavam, depois, de forma cuidada, nos atelies. Os seus quadros resultavam num instantâneo da realidade, com uma fotografia nítida, concreta e sólida.

O desenho Realista vem com a proposta de mostra uma foto qualquer em uma obra de arte perfeitamente igual a imagem que deu origem ao desenho. ou pelo menos tentar deixar perfeitamente igual.







O desenho hiper realista traz o máximo de detalhes pro desenho fazendo com que pareça uma copia idêntica da imagem. esse tipo de desenho é só pros cabeça mesmo, muito difícil!!!!!!








Aaaa e não poderia faltar meus desenhos:
Que não é nem realista muito menos hiper realista é TENTATIVA




#Força, Luiza!

Nathalia Guilhermino Nali
Bárbara Venturim
M4








         Olá, pessoas apaixonadas S2
         para quem não for apaixonado serve também rs' irônico
        Vamos tratar de um assunto  “APAIXONANTE”:
    

                                      Dia dos Namorados :)


 (Owt *-* Um assunto extremamente meigo e amoroso! ><)

Este dia maravilhoso é comemorado por casais, (namorados, casados, enrolados :/ ) como uma data muito especial.

Seu surgimento foi em homenagem aos deuses Juno e Lupercus, conhecidos como os protetores dos casais.

      No dia 15 de fevereiro, faziam uma festa a estes, agradecendo a fertilidade da terra, os rapazes colocavam nomes de moças em papeizinhos para serem sorteados. O papel retirado seria o nome de sua esposa. (um pouco louco não acha?!)

      Como muitos casais apaixonados eram impedidos por suas famílias de casarem-se, ( :( uma tremenda injustiça) um padre de nome Valentino passou a realizar matrimônios às escondidas, quando os casais fugiam, para que não ficassem sem receber as bênçãos de Deus.
(Sim, o amor é capaz de tudo!)


 Com isso, o dia 14 de fevereiro passou a ser considerado o  Valentine’s Day (dia de são Valentin), em homenagem ao padre, sendo comemorado nos Estados Unidos e na Europa como o dia dos namorados.


A divulgação da data no Brasil foi feita pelo empresário João Dória, que havia chegado do exterior. Representantes do comércio acharam uma ótima idéia para aquecer as vendas e escolheram o dia 12 de junho para ser o dia dos namorados em nosso país. A data foi escolhida às vésperas do dia de santo Antônio, o santo casamenteiro.
                      (Sim, todo mundo já pediu ou um dia vai pedir a ajuda dele! Inclusive NÓS!)



 As pessoas apaixonadas costumam presentear seus namorados ou cônjuges, a fim de mostrar todo o amor que sentem.
 




(Lindos presentes! Parabéns!!!)

Existem várias formas de comemorar o dia dos namorados. Mandar flores, cestas de café da manhã, uma cesta de happy hour (hora feliz :) ) para degustarem juntos, mensagens por telefone, serenatas, fazer uma pequena viagem, passar um dia em uma casa de relaxamento, dentre outras

O que importa neste dia tão especial é ser criativo e romântico! :) 



Pois afinal, o que tornam os momentos especiais são os gestos e palavras que os compõem! S2


“ A felicidade é sinônimo de que a vida não corre em vão!”
Samara Spadeto                                



Por:
Bianca Dalvi Moreira
Samara Côra Spadeto
Agroindústria M4




#fotos – Exposição “Rubem Braga – O Fazendeiro do Ar”


Ao iniciarmos o estudo da linguagem literária na turma D3 (1º ano), trabalhamos com o autor Rubem Braga (capixaba de Cachoeiro de Itapemirim), um dos expoentes máximos no que se refere a produção da crônica no Brasil. 

Aproveitando que, em 2013, comemora-se o centenário de nascimento do autor, propomos como fechamento dos trabalhos do primeiro bimestre uma visita à exposição “Rubem Braga – O Fazendeiro do Ar”, no Palácio Anchieta (Vitória - ES). 
 
1º D3 invadindo Vitória!


Entrada da exposição

Trata-se de uma exposição nacional que inicia seus trabalhos no estado do autor e traz informações bastante preciosas para a formação dos nossos alunos enquanto leitores de mundo e das obras do artista em questão. Com essa visita, os alunos tiveram a oportunidade de conhecer diferentes áreas de atuação do Rubem Braga (jornalista, cronista, correspondente de guerra etc.) bem como de sua obra, ampliando, assim, as suas capacidades de interpretação da linguagem literária.

Antes de irmos à exposição, realizamos uma série de atividades relacionadas ao tema: começamos com uma pesquisa rápida sobre a biografia do Rubem; fizemos a leitura do seu livro “Crônicas do Espírito Santo”; estudamos o gênero crônica, para melhor compreendermos a obra lida; iniciamos os trabalhos da exposição fotográfica baseada nas crônicas...ufa!

Trabalhamos muito, mas valeu a pena porque quando visitávamos as diferentes áreas da exposição, à medida que os guias iam expondo dados acerca do homenageado, os alunos iam completando e comentando. A ponto de uma guia se surpreender e exclamar: “Mas vocês já sabem tudo!”. E sabíamos mesmo.

Ninguém fica bem em 3x4

A exposição é divida em módulos temáticos. Vejamos um a um, com uma breve descrição de cada espaço:

Em Cachoeiro, vemos fotos da infância do Rubem e lemos trechos de alguma de suas crônicas que remetem a sua terra natal, Cachoeiro de Itapemirim:


"A capital secreta do mundo". #sqñ

Em Redação, reproduções de páginas de jornal cobrem paredes e chão, e dez mesas, típicas das existentes dos jornais da época, trazem um tema cada um, que é explorado pelo espectador a partir de tablets acoplados a antigas máquinas de escrever, como se fossem folhas de papel.

E o mais bacana é...

...que pode mexer à vontade! *__*

No módolo Guerra, em uma mesa estão dez telefones antigos, típicos dos anos 1940, que ao serem tirados do gancho, trazem músicas, jingles, trechos de programas de rádio e noticiário ouvidos na época da Segunda Guerra Mundial. E, pendurados no teto, aviões de papel, feitos na técnica japonesa de dobradura, o origami.

"Telemar, boa tarde, com quem eu falo, por gentileza?"


Os aviõezinhos se transformam em...

PASSARINHOS!! u.u
Em Passarinhos, uma câmera capta a imagem do visitante e a reproduz na parede, onde projeções de passarinhos vão pousar e voar, à medida que o visitante abaixar e levantar os braços.


Na sala Musa, estão frases de seus textos que mencionam as mulheres, plotados na parede sobre uma imagem ampliada da atriz Tônia Carrero.

Foco é para os fracos!

E, no último espaço, Cobertura, é reproduzida sua famosa cobertura, palco de reuniões memoráveis com amigos artistas e intelectuais. Nela, são projetados os depoimentos em vídeo de Ziraldo, Zuenir Ventura, Ana Maria Machado, Danuza Leão, Fernanda Montenegro, dentre outros.

Temos a exata sensação de estar na cobertura de um prédio.
Neste último módulo, entendemos o porquê do nome da exposição. *mistério*

Ainda há, nesta parte da exposição, imagens de Rubem Braga e sua turma:





Descobrimos que nosso guia é, na verdade, a versão no futuro do nosso amigo, Victor:

"Eu sou você, amanhã."

E para fechar no maior estilo ainda tivemos o Governador do Estado Renato Casagrande todo simpático abraçando geral e posando para fotos (não, essa parte, infelizmente, não compõe a exposição). 

Só o poder!
Mais #fotos aqui e mais informações sobre a exposição aqui.
 
Com essas fotos, vocês conseguem ter uma noção daquilo que nós vimos e vivemos durante a exposição, entretanto, infelizmente, não tem como registrar aqui o que foi o trajeto de ida e volta. Foi fantástico!! Acho que nunca ri tanto na minha vida!

O ônibus estava, mais ou menos, nessa vibe:


Só no passinho!


--

Recadinho do professor: 

Muito obrigado, meninos e meninas da D3, vocês foram perfeitos.  Obrigado pela participação! Deu MUITO trabalho organizar tudo, mas tive a certeza que valeu a pena ao ver os rostinhos de vocês vivendo tudo aquilo. Tchau e um beijo no <3




28 de abr de 2013

Coluna da Jú: "Já pensou na sua angústia hoje?"




"Não é preguiça. É déficit de atenção."
Hiperatividade, depressão, ansiedade, estresse... são tantos os males que podem nos importunar na atualidade. Mas será que já paramos para pensar o que eles estão dizendo? 

Sim. Eles dizem alguma coisa. Falam do nosso estado de humor, das relações que desenvolvemos, do que nos incomoda na vida... Muitas vezes esses nomes são utilizados para amenizar algumas  responsabilidades em nossas atitudes. Já pararam para pensar nisso?

Como assim? É... "às vezes deixo de fazer o exercício para a aula e digo que sou distraído porque tenho Hiperatividade", ou que "não estudei para prova porque estava deprimida", ou ainda que "não consigo fazer nada naquela matéria porque o professor me deixa muito estressada"... E eu nisso tudo?

"Não é que eu seja bagunceiro, moço. Eu sou hiperativo, só isso."

E a minha responsabilidade com os lugares que ocupo? Afinal, o meu caminho sou eu quem construo... 

É claro que muitas pessoas sofrem com esses males, mas quem realmente sofre com isso está procurando uma maneira de lidar com esses transtornos, diferentemente de quem usa essas situações em um falso benefício próprio. Pois, se em um momento pode se livrar de uma situação, dificilmente aprende a responsabilizar-se sobre suas condutas.

--

Juliana Ronchi - Serviço de Psicologia do Ifes-VNI



(Quer o ponto de vista da Jú sobre algum assunto? Então procure-a no CAED do nosso campus ou use o espaço dos comentários para deixar sua sugestão. Se quiser, nem precisa de identificar.)