20 de abr de 2011

Bimestres, livros e cobras

Esse aqui é pra
colorir e colar.

Finalmente o primeiro bimestre se despede e anuncia a chegada de um novo período dos nossos estudos. Como vocês avaliam esse primeiro bimestre, criaturas, gostaram, não gostaram, foi difícil, foi tranquilo ou foi simplesmente traumatizante?

Independente da resposta, uma coisa é certa: foi um bimestre de MUITO trabalho. Uns se dedicaram mais que outros #fato, mas todo mundo (de algum modo) tentou dar o melhor de si. Infelizmente, nem sempre o nosso melhor é suficiente para alcançar o alvo. Entretanto, não é desistindo que se conseguirá, né não?!

Nesse segundo bimestre, iniciaremos (em Língua Portuguesa) o estudo da arte da palavra: a Literatura S2. Para que possamos compreender o conteúdo teórico, é imprescindível que conheçamos o texto literário, sendo assim a leitura representa peça-chave para nossas aulas.

Mas alguém pode dizer: "Eu odeio ler!"; o professor dirá: "E quem liga?". A leitura é fundamental para o estudo de qualquer conteúdo, tratando-se de Literatura essa constatação torna-se obrigação. Não dá pra pensar Literatura sem leitura (as duas palavras até são parecidas, olha que coisa!).

Geléia de cobra? O.o
Para começarmos com o pé direito esse estudo, faremos a leitura do livro “Cobras em Compota” de Ana Cristina Araújo Ayer, que assumi a codinome “Índigo” em suas publicações. Trata-se de um livro de leitura muito tranquila, os textos são curtos (contos), a linguagem é bastante acessível a todos e as histórias têm sempre uma pitada de humor, very good!


Mandarei o livro em PDF para o e-mail de todas as turmas de primeiro ano no momento oportuno a fim de que todos tenham a possibilidade de ler. Vocês poderão imprimir, ler no próprio computador ou comprar (dá pra fazer isso pelo Estante Virtual). Ainda vou definir a data limite para a leitura do livro, mas se alguém já quiser dar uma olhadinha rápida ou começar a ler, basta clicar aqui.  

Enquanto decide se começa a ler ou não, dizaê: como foi o seu primeiro bimestre?

19 de abr de 2011

"Skoob" doo bi doo

Quem? Eu?

Como dito no último post, a internet possibilita uma verdadeira revolução em, praticamente, todas as atividades sociais contemporâneas. Uma das áreas mais afetadas é a relativa aos relacionamentos.

Hoje em dia, é comum alguém dizer que se tem 9273874732647326³³³ amigos/seguidores. Quer seja no Facebook, no Orkut, Twitter, Cromaz etc., as chamadas “redes sociais” agrupam milhares de pessoas por gosto, estilo, preferências, interesses e objetivos em todo o mundo.

Como eu percebi por esses dias, a maioria de vocês, mesmo sendo muito ligada em tecnologia, não dispensa a companhia de um bom e velho livro impresso assim como eu. Sendo assim, resolvi escrever esse post para apresentá-los o Skoob.

Skoob, como próprio nome já sugere (para os mais lerdos: “skoob” é “books” ao contrário; e para os mais lerdos ainda: “books” é “livro” em inglês), é uma rede social na qual você cria um perfil e monta a sua estante (*_____*). Nessa estante, temos a possibilidade de colocar livros que temos, que gostaríamos de ganhar de presente, livros que abandonamos, livros que estamos dispostos a trocar e tals e tals e tchuns e tals...é muito legal!

"A explicação do enigma e a repetição do enigma."
Além desse recurso, que já é super bacaninha, ainda podemos add adicionar os amiges e as amiges e participar de comunidades e fóruns sobre livros, autores e assuntos relacionados à literatura e escrever resenhas (textos opinativos) sobre os livros que estamos lendo ou que já lemos.

Confesso que o meu anda meio abandonado, afinal é TANTA gente em recuperação que nem tenho tempo de dar um F5 no meu perfil pra corrigir esse monte de prova...vê se ajuda, né gente!

Se o pessoal animar com mais esse rede social (é brasileira, vale dizer!), a gente pode criar o grupo dos “Skoobres de VNI” para discutir acerca dos muitos livros que vocês lerão para as minhas aulas. MUAHAHAHHAHA #risada maquiavélica.

8 de abr de 2011

Compartilhando slides e ideias

 
O mundo mudou e a gente também!


Vivemos uma verdadeira revolução na sociedade. Graças à tecnologia, grande parte das nossas práticas sociais sofreu (e ainda sofre) mudanças radicais. Hoje em dia, existe a possibilidade de comprar desde livros até casas pela Internet.

O modo de fazer amigos, conversar com eles, ouvir música, comprar, vender, foi modificado pelos recursos tecnológicos. Na esteira destas mudanças, está também o modo de estudar. O computador (e, em especial, a Internet) propicia muito mais rapidez, agilidade e eficácia no processo de ensinar e aprender.
Por isso, ao invés de utilizarmos o quadro para escrever TO-DOS os textos, lançamos mão do famoso Power Point. É bem mais divertido ver as letrinhas coloridas aparecendo como num passe de mágica na tela do que passar horas e aulas escrevendo, não acham?
Juntos podemos
muito mais!
E para não corremos o risco de perder essas apresentações nas caixas de e-mail da vida (pode acontecer de algum desavisado apagar por engano), todos os slides das disciplinas ministradas pelo professor Olivaldo estarão virtualmente salvos no site Slide Share, no perfil do professor (clique aqui para ser direcionado para a página)
A rede mundial de computadores (Internet) nos oferece uma série de ferramentas maravilhosas que, se usadas, facilitam muito a chegada ao nosso objetivo: o conhecimento. O grande problema é que esses recursos não são aproveitados da maneira adequada. E aquilo que serviria para ajudar acaba atrapalhando (o famoso “Ctrl C+Ctrl V” é o exemplo clássico).
Oferecer recursos como esse é a minha tentativa de ajudar a diminuir esse analfabetismo funcional digital que assola grande parte da população brasileira. Vocês acham que ajuda ou eu estou me esforçando à toa?